segunda-feira, 6 de junho de 2016

Clausura com Alberi - Entrevista


O quinteto Alberi e Uberlândia é um caso completamente atípico que acontece no submundo dos bons sons aqui no Brasil.

Atípico pelo simples motivo de estarem sintonizados com o que de mais atual vem acontecendo lá fora, explico melhor, a sonoridade de "Clausura", EP dos caras lançado em em Abril pela Share This Breath de Brasília faz conexões com bandas como o Nothing, Whirr e outras que pegam o shoegaze e jogam fortes doses de barulheira pós hardcore como Fugazi.

"Clausura" é um dos raros exemplos de lançamentos feitos no país que não soam datados, pelo contrário, o cheiro de atualidade que ronda as quatro músicas do EP confere aos caras destaque, ao menos aqui nas páginas do TBTCI.

Conselho, não deixe passar batido, no futuro, você poderá se arrepender.

***** Entrevista com Alberi *****


Q. Quanto tudo começou? Porque Alberi, qual a origem do nome?
Leonardo - A Alberi teve início no primeiro semestre de 2015. Alguns ensaios, planos e composições simples, violão e voz, do Pedro e do João. Em fevereiro/março entrei no projeto, juntamente com o Arthur. E assim começamos a compor de uma maneira mais séria, com a intenção de registrarmos alguma coisa, pois as músicas começaram a significar algo a mais para a gente. Isso resultou na gravação da nossa primeira demo, "Fulmino", e posteriormente a inclusão do Thiago.

A escolha do nome foi algo muito controverso, porque as sugestões tinham significados pessoais, porém sem transmitir o conceito da sonoridade que estávamos dispostos a propor. Pra chegar à uma decisão, perdemos algumas noites quebrando a cabeça. Então, durante a gravação, veio à nossa mente um som ambiente - e, por conta da letra de “Agosto”, uma das faixas da demo, chegamos a Alberi, palavra italiana que significa "árvores".

Q. Quais as suas influências?
Leonardo - Temos gostos pessoais bastante diversos, o que nos levou a percorrer várias vertentes (hardcore, screamo, crust) em outros projetos. Porém, alguns artistas que temos em comum admiração são: Slowdive, The Cure, The Smiths, My Bloody Valentine, Polara, Pity Sex e Radiohead.

Q. E sobre a atual cena, parece que estão nascendo bandas em tudo que é esquina, quais bandas da nova geração vocês recomendam?
Leonardo - Em Uberlândia, a cena não é tão movimentada, apesar de ser um berço de ótimas bandas, de vários estilos. Dentre elas, destacamos algumas como Deadtrack, Chiptots, Berserk, Desventura, Eu Sozinho, Lava Divers, Senomar e Umnavio.

Q. Por que tem tanta banda bacana e mesmo assim tem pouca gente nos shows? Qual a sua opinião sobre o assunto?
João Felipe - Aqui na nossa cidade tem o Coletivo Noise Talks, que sempre tenta encaixar nos shows que produz as bandas novas ou as que tocam pouco. Direta ou indiretamente, tentamos ajudar em eventos que não tocamos também, e esse é o único espaço que conseguimos em Uberlândia. Apesar de rolarem shows com freqüencia, ficamos tristes por haver uma “panelinha” de pessoas e bandas, além de shows repetidos. Seria massa ver outras bandas se apresentando e pessoas novas colando. Por fim, outro problema bem comum que enfrentamos é a dificuldade de encontrar locais para a realização de rolês "alternativos".

Q. Como foi o processo de gravação do EP?
Leonardo - Ao longo de 6 meses, compusemos praticamente toda semana. Trabalhamos com o maior empenho que podíamos, pois era questão de obrigação imprimir o nosso melhor em cada detalhe, acorde e letra. Então, foram necessários vários ensaios, muitas discussões de qual rumo deveríamos seguir. E, nesse processo todo, nos conhecemos bem melhor um ao outro bem, nossos limites e como cada um conseguia expressar seus sentimentos em forma de música.


Q. Com quais bandas gringas da atualidade vocês gostariam de tocar?
João Felipe e Pedro - Gostaríamos muito de tocar com Pity Sex, Milk Teeth, Title Fight, Turnover, Citizen, Seahaven, Slowdive, Radiohead, My Bloody Valentine e, claro, The Cure!

Q. Quais os 5 melhores álbuns da história para você?
João Felipe - "Selling England By The Pound" do Genesis, "Unknown Pleasures" do Joy Division, "Desintegration" do The Cure, "Houses of the Holy" do Led Zeppelin e o autointitulado do Minor Threat.

Pedro - "In Utero" do Nirvana, "Juturna" do Circa Survive, "Watch Out!" do Alexisonfire, "Peripheral Vision" do Turnover e "Colourmeinkindness" do Basement.

Leonardo - "Whirlpool" do Chapterhouse, "Souvlaki" do Slowdive, "Four Minute Mile" do The Get Up Kids, "Davigalax" do Fadiga e "Fuck Your Emotional Bullshit" do Snowing.

Q. Quais os planos pro futuro, o que esperar do Alberi?
Leonardo, João Felipe, Pedro e Thiago - Queremos lançar o Clasura em formato físico, como um vinil 7’’, pela Share This Breath, selo de Brasília que nos apoiou e ajudou muito durante todo esse processo até aqui. E também planejamos lançar um videoclipe em breve, além de fazer camisetas e outros merchs. Tocar em lugares novos - tanto na nossa cidade quanto fora. E, claro, buscar sempre inspiração e inovações musicais para futuros sons.

Q. Alguma coisa a mais para nos contar?
Thiago – Inicialmente, queremos agradecer pelo espaço aqui cedido; também a quem curte a Alberi, e a quem nos dá todo o apoio. Para conferir nosso som, o EP Clausura está disponível no Spotify e no Bandcamp. Para os leitores: apoiem bandas independentes, seus respectivos selos, gravadoras, coletivos e os cenários artísticos regionais. Obrigado.
*
*
*
Obrigado

facebook: https://www.facebook.com/alberiband
bandcamp: alberi.bandcamp.com

Nenhum comentário: