quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Time To Sleep with Naïveté - An Interview

Quando recebi o single de estréia do Naïveté fiquei fascinado com a candura, o refinamento de Time To Sleep, pensei comigo, e os caras são de Salvador, incrível!!!

Uma sonoridade como disse refinida, lembrando Aztec Camera, Smiths, Prefab Sprout, coisa que os meninos nem eram nascidos quando este que vos escreve os ouvia, e imediatamente após algumas audições em repeat logicamente que fiz contato com eles e o resultado esta abaixo, um pouco do que é o Naïveté e o que os caras vão aprontar.

Para ficar de olhos e ouvidos extremamente atentos.


***** Interview with Naïveté *****



Q. Quando Naïveté começou? Qual a origem do nome? (prefiro sem o artigo, se você não se importar)
Eu e Vinícius nos conhecemos na festa de aniversário de um amigo em comum, há uns dois anos. Um dia ele pôs uma gravação de "Soldier of Love" no facebook e eu gostei um bocado da voz dele. Foi só no fim do ano passado que começamos a conversar sobre a possibilidade de investir em música e no início desse que começamos a nos encontrar, sempre às tardes dos finais-de-semana. O nome vem do francês, significa ingenuidade, inocência, falta de experiência, esse tipo de coisa.

Q. Quais as influências de vocês?
Em comum, principalmente Velvet Underground, Billie Holiday e Chet Baker. Particularmente, as bandas das quais não consigo me livrar são Cardigans, Carpenters, Hole e Young Marble Giants (apesar do catálogo pouco extenso). O Stuart Moxham, dessa última banda, ouviu em primeira mão nosso single e conversou brevemente comigo sobre - foi bem surreal porque Colossal Youth é um dos álbuns que eu mais escutei e não imaginava um dia ter contato com nenhum dos artistas por trás dele. Acho que Vinícius consegue gostar de umas coisas ainda mais discrepantes entre si (Etta James, Buddy Holly, Cat Power) do que eu e volta e meia me apresenta umas músicas e clipes que eu adoro e não sei de onde ele tira!

Q. Como é a cena atual de Salvador?
Diversa, rica e ao mesmo tempo refém de um panorama pouco favorável aos artistas que decidem desenvolver um trabalho autoral. Escutei bastante, nos últimos dias, o E.P. do Osahar, "Índigo" ( https://soundcloud.com/osahar/sets/indigo ), mas não tenho ouvido falar dele, por exemplo; conheci graças ao irmão de um amigo.

Q. Como foi o processo de gravação e composição do single Time to Sleep?
Foram três encontros. A agenda de Vinícius não é exatamente flexível, então tivemos que nos virar. Já tinhamos nos decidido pela presença do contrabaixo vertical, só não sabíamos quem tocaria. André Tavares, nosso produtor, entrou em contato com Giroux e resolveu nosso problema. No primeiro dia, fizemos uma guia de voz e guitarra. No segundo, o baixo foi gravado, sem a presença do cantor e nos encontramos uma última vez para fazer a voz e guitarra definitivas - além das gotinhas que gravamos com uma taça e conta-gotas. A composição já existia há algum tempo, em minha cabeça, mas precisava da voz de Vinícius para efetivamente tomar a forma que tomou.

Q. Quais os planos futuros da Naiveté?
Ainda pretendemos lançar um clipe para ajudar a promover esse single e então a idéia é fazer um E.P. baseado em notas pessoais de cantor. Escrevi a letra de "Time to Sleep", mas a intenção daqui em diante é que seja um papel cada vez menos meu - tenho me sentido muito mais confortável com qualquer coisa que Vinícius escreve que com minhas próprias letras.


Q. Considereções finais
Não subestimem o valor de uma boa noite de sono.
*
*
*
Obrigado

Nenhum comentário: