terça-feira, 14 de junho de 2011

Sonic, Flower and Groove with The Tamborines - An Interview


Com maior prazer e orgulho escuto incansavelmente meu Camera & Tremor, debut dos paranaenses de Maringa, o grande mais muito grande Tamborines, de meu camarada Henrique Laurindo que simplesmente pegou tudo e foi para Londres e ai a historia do Tamborines é exatamente essa Sonic, Flower and Groove, shows e shows, eps sensacionais e agora o album, simplesmente espetacular, Henrique e Lulu Grave são especialistas em criar pequenas gemas a base de distorção, fuzz romantismo e profundo conhecimento de causa, 31st Floor, Come Together, What Took You So Long e a emblematica Sanny O´Gannon explicam o porque os Tamborines são comparados a Dandy Warhols, Teenage Fanclub primeira fase, Ride, alias MArk Gardener faz backing vocals em Come Together, e junto ai Velvet Underground fase Loaded e a festa esta completa, outro grande momento deste Camera & Tremor é o cover Let me Down dos herois do guitar sound nacional os Pin Ups, diante de tantos motivos é recomendavel urgentemente que voce vá até sua loja predileta e pegue logo seu Camera & Tremor e seja mais feliz.

Aproveitando o ensejo todo, o comparsa Henrique concedeu ao TBTCI uma especialissima entrevista abordando toda a trajetoria dos Tamborines, então recomendo leia e releia e delicie-se
***** Interview with Henrique Laurindo - The Tamborines *****

Q. Quando o Tamborines começou? Conte-nos a historia da banda...
A. Comecei a escrever as musicas que seriam a base dos Tamborines em 1999/2000 na epoca eu tinha acabado de sair de uma banda bem noise/shoegaze, e eu estava afim de fazer algo mais calmo, folk ate. Assim surgiram as musicas do "Dressed up to better feel the sun", inclusive chegamos a gravar 8 musicas com a intencao de lancar 2 eps. No final acabamos perdendo as masters e ficou so o "Dressed Up .." mesmo.

Q. Quais as influencias da banda?
A. Dificil dizer, nos tres temos gostos bem variados...

Q. Quais os discos de cabeceira do Tamborines...
A. Os meus mudam sempre, no momento os que vem a tona sao: Velvet Underground - Velvet Underground; Isn't Anything - MBV; Cowboy in Sweden - Lee Hazlewood; Scrabby? - Pin Ups; Daydream Nation - Sonic Youth; In the Airplane over the sea - Neutral Milk Hotel; Bringing it all back home - Bob Dylan...

Q. Depois do primeiro EP pela Midsummer, como surgiu a ideia de se radicar em Londres?
A. Na verdade eu tinha essa ideia desde que peguei na guitarra pela primeira vez!

Coisa de adolecente que acabou por se tornar realidade...

Q. Porque o fim prematuro ?
A. Quando chegamos em Londres a primeira coisa que sacamos foi que teriamos que nos adaptar a uma outra realidade. Esse Tamborines que saiu do Brasil nao teria a minima chance de fazer algo aqui, entao resolvemos colocar a coisa on hold e curtir o que estava acontecendo com a gente: ver shows, exposicoes, eventos. Devoramos tudo.

Q. No retorno em 2005, qual foi a grande mudança em relação a primeira formação?
A. Bem, ai ja estavamos ouvindo outras coisas, em uma total outra realidade, mais "dentro" de Londres. Comecamos a gravar demos e passa-las pros amigos, porem nao tinhamos banda: era so a Lulu nos teclados, eu na guitarra e uma drum machine.

No Brasil a coisa era um pouco mais maleavel e incerta: gravamos o ep em tres (com o Renato na bateria) porem ao vivo era basicamente amigos nos dando uma mao. O que era super bacana, ninguem (nem mesmo a banda) sabia quem iria tocar o que. Caos total.

Q. Como são os shows do Tamborines?
A. Caos total.

Q. Tocar ao lado de grandes bandas como Charlatans, Chapterhouse, Crystal Stilts significa o que para o Tamborines?
A. Espero que signifique que somos grandes em algum aspecto tambem hahahahaha. Claro que eh otimo dividir o palco com bandas que admiramos, mas outras coisas bem mais emocionantes ja aconteceram pra gente. Por exemplo: ter o Mark Gardener cantando uma musica nossa (3 alias!!) foi mind-blowing!!

Q. Como foi o processo de gravação do debut Camera & Tremor?
A. Desnecessariamente longo e extremamente complicado.

Adoro o disco e as musicas e acho que apesar de tudo representa bem o que o Tamborines era naquele momento. Mas foram 3 bateristas diferentes, em varios estudios. Ouve muita confusao, muitas opinioes divergentes etc..

Quando o disco saiu eu fiquem sem ouvi-lo durante meses e ja mergulhei de cara em musicas novas.

Dai a Luciana passou dos teclados pra bateria - o que provou ser a decisao mais correta que fizemos - o Chokis (ex-Wry) assumiu o baixo e ja comecamos a tocar musicas novas. So quando fomos em turne na Alemanha e Italia que voltamos a tocar as musicas do "Camera & Tremor", e dai voltou aquele feeling bom e hoje eu aprecio essas confusoes e divergencias.

Q. O que representa a cena shoegazer classica para o Tamborines?
A. Eu cresci ouvindo Ride, MBV, Jesus & Mary Chain etc... e acho que esse som abriu possibilidades pra curtir outras coisas como velvets, byrds, phil spector, love ou mesmo beatles, folk e motown.

Mas confesso que nao ouco muito bandas shoegaze ultimamente. Alias nem acho que o Tamborines seja shoegaze, embora seja inevitavel a associacao visto que lancamos um single pela Sonic Cathedral.

Q. Quais bandas da atualidade vocês recomendam?
A. Gosto bastante do Crystal Stilts, o primeiro album eh fantastico, mas ainda nao ouvi o novo. Gosto bastante do Yuck tambem, otimas cancoes. Soft Moon me pegou de surpresa e tornou-se uma das prediletas da casa. Tem o Moon Duo tambem. Crocodiles, Veronica Falls, Minks, Warpaint, Frankie Rose and the Outs etc..

Q. Quais os planos para o futuro?Turnes?Talvez algum show no Brasil...
A. Estamos indo pra Italia em Julho gravar o segundo disco e depois disso iremos ao Brasil. Esse ano promete!

Q. Alguma mensagem há mais...
A. Estamos com saudades dos amigos e nao vemos a hora de estar ai. Baladas como as do Brasil nao existem iguais!
*
*
*
Valeu Henrique....abs Renato

http://www.thetamborines.com/

The Tamborines - 31st Floor, Come Together

Um comentário:

Miguel disse...

Sem comentários.