domingo, 5 de julho de 2009

Just for a Life with Slowdive


Não me recordo de uma banda ter atingido o apice mesmo antes do lançamento de seu primeiro album, ok, vão vir me dizer que o Souvlaki é o máximo da perfeição, o que eu vou concordar também é claro, mas voltando um pouco, os 3 primeiros eps do Slowdive já haviam definido tanto a sonoridade da banda como fincado definitivamente a maciça influência desta que talvez igual ou mais do que o MBV influenciou não somente os desmembramentos das segunda cena shoegazer ao redor do mundo, como a atual também, pode-se facilmente constatar o lado Slowdive em basicamente todos os descendentes das ambientações e paredes sonoras.
Eu basicamente, sou suspeitissimo para tecer maiores comentarios, pois esta é uma das minhas maiores obsessões em termos de banda, não consigo dizer quantas vezes ouvi o Just for a Day ou o Souvlaki ou o Pigmalion, mas certamente posso garantir que eu ouvi muito mais ou 3 primeiros eps.
Lembro-me quando do lançamento do "Slowdive" que foi colocado em segundo lugar na Melody Maker como single of the week perdendo para o Sunbust do Chapterhouse, notem era o inicio mesmo da cena que estava se criando e do que viria a se estender e entorpecer muita gente nos quatro cantos do mundo, ainda me recordo de uma galera da epoca aqui em Sampa, gente como o Farinha da loja Bizarre, do Plinio ex-dj do Retro, o pessoal de Santo Andre, Osasco, Guarulhos, muito gente que cresceu junto com a Scene That Celebrates Itself, o pessoal do RJ vide Lariu e a Midsummer Madness, enfim era o crescimento e o envolvimento com esses sons vindos dos ceus, dos oceanos, dos ventos a musica "slowdive" para mim é a mais emblematica da banda em termos de dissonância, o riff interminavel é magnifico somado a vocalização de Neil Hasltead e Rachel Goswell dois icones do movimento, isso sem contar nos outros membros da banda Simon Scott, Christian Savill e Nick Chaplin todos essenciais para as novas sonoridades, vide os projetos anteriores e posteriores, do naipe de Charlottes, Inner Sleeve, Televise, mojave 3 só para ficar em alguns, bom retomando o EP de estreia que além da propria "Slowdive" traz uma das mais marcantes e absurdas músicas se é que pode-se chamar Avalyn I e IIde musicas é se fazer calar e manter um silêncio quase profundo apenas as cultuando, massas etereas/sonoras profundamente pesadas no sentido denso da estrutura da canção, é de chocar e tocar a fundo o mais distante ser. Na sequencia do homonimo a banda soltou Morningrise, outro brilhante e fundamental registro que simplesmente já no começo de morningrise a carga sonora te puxa para dentro deste quase mantra, alias, sempre achei "morningrise" uma fusão de "slowdive" e "avalyn I", neste ep as duas musicas que acompanham a homonima dão gritos silenciosos com as guitarras etereas e soterradas com a vocalização por detras...she calls e a clássico losing today são assim simplesmente aterrorizantes e hipóticas. Fechando a trinca espetacular dos EPs pré Just for a Day, Holding our Breath com a abertura a cargo da soberba, genial, magistral Catch the Breeze que anuncia que o album de estreia seguiria a linha mais eterea e densa, além da imensa carga de solidão que o album traz, este ep é assim, o mais carregado dos 3, com doses pesadas de alucinações que te evocam para o mais candido e puro lago da solidão, mas a redenção à luz vem com Shine, onde a sensação de calmaria é unica e perfeita.

Sempre digo que o Slowdive não é uma banda é algo superior, algo a ser literalmente cultuado, pois não conheço, ou não ouvi nada que os tenha superado em termos de devastação do sentimento tanto para o lado do isolamento como para o lado da candura, tudo isso logicamente com o mais perfeito sincronismo entre pedais, guitarras, vocais enfim, Slowdive é algo unico e eterno.

Um comentário:

Miguel disse...

(silêncio)