segunda-feira, 13 de abril de 2009

In The Presence of Loveless

É indiscutivel o quanto é fundamental a obra prima do MBV chamada Loveless, não dá para resumir a quantidade de músicos que se inspiraram ou se inspiram na sonoridade, nas tecnicas, enfim a tematica do album fez dentre muitas coisas, quebrar a Creation, fazer com que o MBV entrasse em colapso onde a banda hibernou até bem pouco tempo atrás, enfim um album essencial para a musica contemporanea.

E é exatamente deste album que tive a vontade de umas semanas atrás, analisar por puro prazer quais seriam as 5 obras mais influenciadas por ele, e na minha opinião a conclusão esta ai abaixo, sem me preocupar se este ou aquele é o melhor, mas sim, somente pelo prazer de falar a respeito.

Medicine - Shot Forth Self Living

A resposta Americana ao Loveless, alias ao shoegazer britanico classic era, assim foi definido o Medicine, que concebeu ao mundo este clássico absoluto, um álbum que traz toda a temática Loveless, mas com um quê de americanização no som, cortesia do dono da banda Brad Laner, o vai e vem das guitarras sobrespostas é a temática do álbum que certamente figura nos melhores álbuns dos anos 90, infelizmente a banda não obteve o devido mérito em sua época.

Lovesliescrushing – Bloweyelashwish

Scott Cortez é um gênio, isto já bastaria para incluir o debut do Lovesliescrushing nesta lista, uma verdadeira parede de ruídos e candura, a desconstrução da canção é a fonte de inspiração de Cortez, um álbum mágico e misterioso com um ar meio dark só que com um colorido de explosões de águas marinhas, tudo meio psicótico, até a minha resenha para falar a verdade, e olha que não tomei nada, absolutamente nada, é que a simples audição das obras de Cortez trazem sensações desencontradas, depois de Peter Kember e Kevin Shields certamente Cortez pode e deve ser considerado um mestre na arte das muralhas do wall of sound, vale ressaltar que além do Lovesliescrushing toda a obra do Astrobrite com Cortez a frente, são de longe as mais acidas da era pós Loveless, fundamental e somente para iniciados.

Rollerskate Skinny – Horsedrawn Wishes

Em 97/98 quando ouvi este album pela primeira vez me apaixonei de tal forma por esta banda e só depois de um tempinho fui descobrir que tratava-se da banda do irmão do Kevin Shields, Jimmy Shieds, e que não participa deste que é talvez o mais subestimado álbum dos 90´s, o que certamente já em 2009 esta devidamente revisto, porque a sonoridade de Horsedrawn Wishes estava uns 5 anos a frente de seu tempo, resumidamente o álbum seria “uma orquestra de guitarras” não tão diferente dos demais álbuns desta lista só que com exceção do Medicine que segue uma outra ordem, a temática de loops, sintetizadores esta toda aqui, mas o foco para a criação de canções com estruturas mais pop destoa de todos os demais com uma elegância acima da média, uma mistura acidental de Beatles com MBV, clássico absoluto.

Glifted - Under And In

Duo americano que tem na cabeceira de seus criadores a obra prima do MBV, mas que ao contrário do Fleeting Joys não fica tão refém do fantasma de Shields, aqui a presença dele é notadamente na inspiração do conjunto da obra, nos loops, nas camadas sobrepostas de guitarras são a origem perfeita a viagem acida do Glifted, o único abum da banda que é extremamente obscuro e como reza a história da música, tão fenomenal ao mesmo tempo, talvez uma das obras pós Loveless mais impressionantes, a abertura Is There Any Always já diz ao que os caras vieram, riffs, riffs, riffs, distorções, distorções e mais distorções somados aos loops misturados aos vocais soterradíssimos e aos sintetizadores dão um ar cacofonico e caustrofobico a esta obra prima de explosão sonora.


Fleeting Joys - Despondent Transponder

Outro duo Americano, que ouviu tanto mas tanto o Loveless que fizeram uma sequência do álbum, é impossível ouvir a estréia dos caras, Despondent Transponder e não identificar de cara When You´re Sleep, Only Said, Loomer dentre outras, desde a abertura com The Break up até o ultimo acorde de Patron Saint a imagem de Kevin Shields esta tão presente mas tão presente que dá certamente imaginar ele tocando com a banda, apesar da extrema semelhança temos momentos com uma cara menos MBV e mais Fleeting Joys tipo Lovely Crawn que tem uma pegada mais Swervedriver sem deixar os ares de Loveless de lado, um belo álbum que de todos é o que mais chupou o original, com uma característica fundamental, loveless in slow motion.


Ah sim, menções honrosas para os dois abaixo que não entraram na lista por 1 acorde de microfonia...

Pia Fraus - Nature Heart Software
Heavïness – Heavïness

Taí os albuns:







































Nenhum comentário: